domingo, 31 de janeiro de 2010

SP: Arte, (f)atos e retratos ou O que olhos VEEM o coração SENTE


Tenho a ligeira impressão de que isto aqui me custará muitas linhas. Mas, ao final, certamente, levarei à peneira do bom senso; poupando àqueles que vierem compartilhar [o que não deveria ir além de um diário...].

Falar de viagens não é fácil [é fato], ainda que de curtinhas. Todavia [é] preciso destacar alguns acontecimentos impagáveis _daqueles que só acontecem comigo.

[...]

Na sexta-feira [29/01], bem, acordei com a estranha sensação de que o dia não seria muito bom. Com manhã e tarde chuvosas [para variar!], havia que se fazer algo para mudar o quadro [sobretudo no que tange a lançar-me à rua, sob meu guarda-chuva hipermegacarioca – com imagens de Cristo, Lapa e tal – à procura de... À procura de! OBS: eu ODEIO guarda-chuva!]. Vaguei milhômetros daquela cidade que nos engole [em todos os sentidos e sentimentos]... Eu via, via e sentia _pura vertigem.

Liberdade

Achei uma agência dos Correios; postei coisas a queridos; passeei [pacas!] de metrô – intrinsecamente macabéa ou vice-versa – vislumbrei a Paulista; almocei num Fast; visitei o Masp; lá, contemplei Chagall [“O mundo mágico”] e suas litografias, entre outros; saí... e a estranha sensação ali: semi-dormente. Voltei pro hostel. Meu amigo ligou-me para confirmar nosso encontro; eu prontinha, OK! A caminho, mandou-me um SMS desmarcando, simplesmente... [Pois é, como bem me escrevera: NÃO VOU PERDOÁ-LO!] E, já que estava na chuva [literalmente], por que não me molhar? Parti pra Paulista novamente – precisava rever aquelas luzes todas à noite! Avistei a Megastore da Fnac – brilho nos olhos! – dei uma passadinha básica; fui a um shopping em seguida; resolvi ir ao cinema.


Av. Paulista

Eram 19h30, mas só tinha sessão para as 21h20. Uma certeza: DORMIR no meio do filme! [Adendo: VINTE reais a p... da entrada!!! A bonita lá da bilheteria não me deixou pagar ½. Beleza! Tava tudo ótimo mesmo!]

[...]

Poltrona H-09. Confortável com meus botões... Entra uma mulher de meia-idade, muito bem vestida; senta ao meu lado, e não-sei-por-que-cargas-d’água! [ou diacho de perfume bom o dela!], penso eu, pueril: “quando crescer, quero ser assim!” Cinco minutos mais tarde... estilhaços e mais estilhaços de sonho partido pelo chão: a caixinha de Mentos devorada a boc’aberta e ruminâncias _bem do meu lado!, só para lembrar! E, para a chave de ouro, ao cabo das balas [e nenhumazinha perdida!], sem cerimônias, a caixinha atirada ao chão. [Nem um emoticon representar-me-ia a expressão naquele instante!!!]

Simplesmente, iniciei um ataque de riso [silenciosamente contido, claro], mas um ataque de riso, a La Demócrito... Felizmente, consegui concentrar-me no filme e, aí, até chorei... Sim. [By the way: era a estreia de “Invictus”]. Surpresa pós-sessão: mantive-me plenamente acordada! Mas, é claro, não só por mérito de Morgan Freeman ou do Rugby de Matt Damon – musculosamente apresentável – né? E a sensação, lá, cafeinadamente acordada, junto comigo!


Av. Paulista

[...]

Meia-noite. Volto andando, da estação Vl. Madalena até o hostel, que não fica muito longe, mas exigiu-me todas as vezes em que o fiz a máxima atenção ao mapinha, satisfatoriamente, recebido da coleguinha de quarto, a xará e capixaba Rapha.

Lá chegando – louca por uma cama – tomo meu banho, apronto-me para dormir [detalhe: a festa rolando bem embaixo _é um Casa Club Hostel Bar; imagine!); eu, que não sou de festas [não das do tipo], ligo meu mp4; pego Clarice na mala [“A via crucis do corpo”]; leio um pouco... compreendo toda a estranha sensação do dia. Viro-me para o lado na cama e tenho, enfim, a melhor noite de sono dos últimos meses.

[...]

E o sábado é lindo. [Mas não cabe na história]. E o RJ continua lindo [?], todavia nada que Sampa não supere com “a dura poesia concreta de suas esquinas”, há muito, já, colada nas minhas retinas...


Metrô Estação Paraíso


8 comentários:

helopoli disse...

Rafaela,


Furar (dar cano) em amiga que vem de outra cidade, não se faz.


Troque de amigo.


Mude o meio de campo.





Beijo,





Marcelo.

Tê disse...

Que bonitinho! :)
E as fotos... lindas.
Bjk

marjoriebier disse...

Rafa... não consigo ler teu texto sem lembrar da visita àquele museu... hahahahahaha... sabe qual?! Nissei ou sabesim?!

AAAAIiiii, desculpa!

É inevitável!!!

EU AMO ELA!

=***

Rafaela Figueiredo disse...

queres ir agora ou dps??? u_u hahahaha

'acontece nos filmes, acontece na vida, acontece comigo, acontece na tnt...' hahaha
=P

beijooo

Mamily disse...

KKKKKKKK, só vc mesmo!!

Bjs

Talita Prates disse...

* quando eu crescer quero falar de viagens assim. o/

* eu ODEIO guarda-chuva! [2]

* Sampaulo também me causa vertigens. É uma sensação de ser engolida meXmo.

* "postei coisas a queridos": um(a) desses "queridos" SOU EU! Ai ai, que feliz!

* eu também não perdoava não. quáaa.

* R$20,00 a p... da entrada? Putz, bem sp, hein. (#pobre)

* madama ruminante ninguém merece. não há emotion que o diga!

* Gosto do Matt Damon, viu.

* Clarice na mala é sempre uma ótima pedida! "A via crucis..." foi o primeiro dela que li! :)

* que último parágrafo mais lindo!

ADOREI a saga, 'fa-lóri!
aiai, que linda!

bjo, flô!

Rafaela Figueiredo disse...

hahahaha

*aaai, é uma fofalórilinda meXmo!!! =P

*até parece q carece de alcançar alguma coisa na escrita! u_u

*e q grata felicidade ter essas pessoas no meu dia-a-dia - ainda q distantes, geograficamente.

obrigada pelo seu tempo na loucura transcrita, amada!

beijobeijo

Camilinha! disse...

Divertido! Rs
Confesso que você me deixa com uma leve vontade de conhecer São Paulo, embora eu tenha um pouco de receio em lidar com paulistas! Porém, a vontade vai para o espaço ao ler que uma entrada de cinema custa R$ 20,00! Que abuso! rs
Pensando bem... resolve - se o problema NÃO indo ao cinema por lá, certo ?!
Quero acompanhá - la um dia nessa aventura e poder descrever assim!

P.S: Retirando a parte do amigo que furou! Humpf!