terça-feira, 26 de julho de 2011

Sigmund



a fruta ,
em instantes, devorada
bateu no estômago do tempo
um mal-estar profundo...

entre as pernas
[que atravessam apressadas]
a fruta apodrecida
é o mundo...?


6 comentários:

Anônimo disse...

"fruta devorada", "mal-estar profundo", " entre pernas apressadas", "fruta apodrecida" e "mundo"... o fruto do conhecimento legou-me um mundo obscurecido. Seus poemas são sempre um convite a exercitar a reflexão, a desadestrar o pensamento, suberventdo-lhe a lógica.

Maravilhoso! Mas confesso me ser custosa uma leitura adequada. Não posso deixar de ver uma relação entre sexo, pecado, conhecimento, ignorância, enfim, uma imagem da teoria criacionista.

Beijos! Parabéns!

Linguagem e Poesia - Bruno de Andrade disse...

O anônimo sou eu...rs

Rafaela Figueiredo disse...

eu saberia, mesmo q não se identificasse!! rsrs
quem mais dá tantos sentidos aos meus poeminhos? :D
e freud concordaria com vc! ;)

beso!

Fernando Lago disse...

Gostei de tudinho, do 'sigmund' ao 'mundo'. parabens! Uma poetisa e tanto!

Rafaela Figueiredo disse...

se gostou, gostei tb!
=)

um beijo

Talita Prates disse...

florinha, que fróid!

não sei se entendi, juro. ops. =/

(L)