quinta-feira, 9 de setembro de 2010

corpoesiamor


pra falar de amor
não há
que se dizer palavra.
pra falar de amor
não posso
nem dizer amor.

[meu amor é todo corpo
não-conceito, não-verbal...]

leio-me de pele
e faço versos de arrepios:
meu amor é todo corpo
– um alfabeto de sentidos.

11 comentários:

Marcelo Novaes disse...

Rafaela,



Está bem dito, moça.



:)




Um beijo.

Bruno de Andrade disse...

Primeiramente, deixe-me ressaltar a criatividade dos títulos de seu poema. Adoro seus amálgamas lexicais, que revelam sua habilidade e sensibilidade para rearranjar a forma, explorando a instabilidade que há entre o significante e o significado. As palavras em seu espírito ganham uma densidade maleável. Em segundo lugar, no que toca ao plano de conteúdo desta bela poesia, chamou-me a atenção a possibilidade de expressar-se o amor no/pelo corpo; não no corpo reificado, fonte de consumo, mas no "corpo inteiro". O corpo como fonte abundante de amor é sinal de materialidade deste "alfabeto de sentidos". Aqui você joga, ao que me parece, muito perspicazmente, com a ambiguidade da palavra "sentido", podendo tratar-se dos sentidos que nos permitem ter experiência sensível (os sentidos do corpo), como também os sentidos propriamente verbais. É a linguagem corpórea do amor,a que só tem acesso os "alfabetizados".

Parabéns!
Beijos!

Tê disse...

Rafa, teu amor contagia!!
Bjks

Wall disse...

Rafinha,
Parabéns pelo elogio recebido!
Quero comprar o seu livro hoje. E hoje... E hoje...
Beijo!
Wall

Rafaela Figueiredo disse...

chuchu,

um beijão procê!
e obrigada sempre! =)

.

Bruno,
Drummond, certa vez, disse algo sobre um crítico ver tanto em suas leituras, que ele já não sabia se o que escrevia era o que ele próprio escrevia ou o que o crítico dizia. [Não era isso, mas acho que a ideia era, basicamente, essa...]
sempre questionei tais atitudes; daí fui fazer Letras - e quase sempre discordar dos teóricos que leio. rs
não nego que a intenção, na hora da escrita, por vezes, é uma [que não envolve nenhum 'raciocínio lógico' sobre o que será dito], e o resultado é outro. mas a essência - o que vc captou com tanta gentileza - não costuma se perder na 'luta com as palavras' [com Drummond de novo!].
ISSO, sim, me sensibiliza: o olhar gentil. e me alegra! mesmo sabendo que o que digo é tão pouco e tem muito a melhorar...
um super obrigada.

um beijo

.

'eu quero te dizer
que eu só sei amar assim...'! o/

beijo, flô

.

rs amigo,
essa luta não termina! quando eu conseguir concluir, vc será o primeiro a ganhar um, tá?! ;)

beijobeijo

Caliginoso disse...

pouco dizendo muito...

;)

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Rafaela,

Incrível essa sua forma de materializar a emoção em textos que pulsam. O amor faz isso com aqueles que sabem sentir.

Olha, pode até passar uns dias sem aparecer, só não pode sumir, olha lá, hein?

Você já é muito querida.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Rafaela Figueiredo disse...

Rê, linda,
como sempre digo: é só o que nos salva! ;)

não sumo, não!
a recíproca é verdadeira!

beijobeijo

.

caliginoso, hey!
grata por mais uma visita. o/

beijo

Moni. disse...

Isso bem que podia constar no dicionário, né?

Guardarei bem aqui, caso alguém me faça a pergunta, que eu, de certo, não saberei responder...

Beijos, moça!
Ótima semana!

Talita Prates disse...

eu sempre quis (des)dizer isso,
e você o fez!

ahhh, florinha,
tu lês meus pensamentos/sentires!

amo tanto-tanto, sabia?

um beijo,

Li.

Rafaela Figueiredo disse...

que bom que sirva pra responder a algo, Moni! =)

beijo procê

.

ah, amora,
vc também lê os meus! =P

beijo
(L)²