domingo, 10 de dezembro de 2017

Eu, Macabéa


O que sinto modifica o que digo
e vice-versa 
Mas se digo mortifico o que sinto
- as palavras amortalham-me 
os sentidos


PS: Com este poeminha, neste dia em que Clarice me brilha sempre mais intensa, quero me despedir deste blog, que foi meu querido companheiro por tanto tempo (que até me surpreendo), ainda que eu não lhe tenha sido - nos últimos anos - tão fiel quanto poderia. Obrigada, meus queridos, que tb nos acompanharam até aqui. 

5 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Rafaela,

Continue o blog. Se mudar de ideia, estamos aí.

o beijo

Rafaela Figueiredo disse...

Marquitos, querido,
Passou o tempo do blog.. Mas os queridos: todos passarinhos. :)

Bjs

Fabrício César Franco disse...

Caríssima,

Por que se vai? Assim, peremptória? Por que não deixa o blog quieto, à espera, palavras sempre há de surgir. Não é preciso periodicidade, mas evitar a ausência. Ainda mais nesses tempos duros, de ineloquência, onde o que se diz só tem feito doer do que construir. Repense. Agradecemos.

Beijo.

Rafaela Figueiredo disse...

Franco, poetíssimo,
O blog ficou bem quieto por bastantes períodos... Me sinto desnaturada rs.
Como tudo tem um fim, achei q é hora.
Obrigada pela consideração e pela companhia até aqui.
Continuarei visitando os q ficam :)

Bjo

Fabrício César Franco disse...

Não é porque a quietude se estende que deva ser perene. Assuste-a, vezenquando, para que possamos ter o alento de sua poesia.

Beijo!