domingo, 21 de dezembro de 2014

Supernova



A explosão de uma saudade
consome esse vazio
buraco negro
que a tudo torna uma só coisa…

E o destino está selado
: a estrela que se desfez
é o coração, que no meu peito, 
amanhã nasce outra vez.

3 comentários:

Fabrício César Franco disse...

Poetisa,

Resta a esperança do novo dia. A gravidade do buraco negro pode levar ao outro lado, e quem sabe o que existe por lá?

Um beijo!

Rafaela Figueiredo disse...

é esse mistério q move as mentes!

um beijo, poeta
feliz 2015!

Marcos Satoru Kawanami disse...

esse poema tá aqui desde o ano passado, e eu papando mosca...

senti a força regeneradora da criação literária como catarse redentora apontando para a renovação que eleva e conduz ao que dá significado ao ser humano.

<3