sábado, 31 de agosto de 2013

Poeminha ontológico [a quatro mãos]




(Não) Olhe o tempo:
Nele se emprega
Muito mais do que se vê.
Se a imaginação é cega
Que se tateie o pensamento...

Pois que viver é longo
E, de tombo em tombo,
Se aprende a andar
E a morrer.




*poema-diálogo, com Marcia Linda Tiburi.

12 comentários:

Fabrício César Franco disse...

Poetisa,

Não sei se sou talhado para aprender, segundo sua cartilha. Caio mais e mais vezes, e não pareço melhorar, sequer ludicamente, nos meus tombos. E nem ando mais tranquilamente, sequer. Que o tempo seja benigno comigo, é só o que peço, antes que o último tropeço aconteça.

Beijo!

Rafaela Figueiredo disse...

Mas é msm, poeta... a gente aprende andar, mas os tombos não cessam; logo, o aprendizado mais bem assimilado será o fim...
Não chega a ser um pessimismo: é a verdade. Ao menos, nossa, então.

Um bjo

Fred Caju disse...

Viver é longo... Não sei. Estou com o Chacal: A vida é curta pra ser pequena.

Rafaela Figueiredo disse...

É longa pra quem a sente (doer).
Td é uma questão de escolha, é, eu sei...

OCAVALEIRONEGRO disse...

Pura verdade! O tombos são fases, são vida, Uma boa semana pra ti. e apareça ... fica em paz. bye.
Ass: oCN.

Daíse Lima disse...

"Pois que viver é longo
E, de tombo em tombo,
Se aprende a andar
E a morrer." - Que lindeza!
Adorei!

Beijos!

Rafaela Figueiredo disse...

Bjos gratos, CN e Daíse!
Que viver seja um aprendizado contínuo..

Mateus Medina disse...

Será que a gente aprende mesmo a morrer?

bjos

Lu Rosário disse...

Essa imagem é linda e bem inspiradora, Rafaela! Adorei!
O poema também está uma lindeza!

A imaginação, a vida e o compartilhar tornam o que encontramos, pela nossa trajetória, muito mais interessantes.

Beijos.

Rafaela Figueiredo disse...

É, Mateus, uma grande questão!
Eu diria: para o poema, A questão.

Obrigada pelo olhar.

Abrç

.

Viver é, sim, interessante, Lu.
Mas duro, muito duro...

Bjo grato

Marcos Satoru Kawanami disse...

tu és alguém
além
do tempo e espaço
como "les demoiselles" de Picasso

Rafaela G. Figueiredo disse...

Marcos,
acho q todos buscamos isso.
mas seremos, ao final?

um beijo grato