terça-feira, 3 de novembro de 2009

VERTIGEM


-->

O vazio dentro do vazio...

A vastidão do universo

O viés do inverso –

Vão do avesso –

Vagos versos;

Volumosos

Novelos:

Nove

Elos

14 comentários:

Talita Prates disse...

Lembrei de uma paciente hoje, de 17 anos, que atendi:
"Ai, eu fico triste ao pensar no infinito..."

:S

Adorei esse poema em V.

Bjo, Rafa!

Constantin Constantius disse...

Oi Rafa!

Que poema criativo e cheio de arte... parabéns!

Eu particularmente gosto da sensação de vertigem. Minha Filosofia Existencialista reflete muito sobre Vertigem em correlação com a Angústia.

Lembrei de Sartre falando: "A vertigem angustia na medida em que tenho medo, não de cair no precipício, mas de me jogar nele. Uma situação que provoca medo, pois ameaça modificar de fora minha vida e meu ser, provoca angústia na medida em que desconfio de minhas reações adequadas a ela." (SARTRE, O Ser e o Nada.")

Noutro livro, de Kundera, que li, A Insustentável Leveza do Ser, ele fala também de vertigem existencial. Uma vontade de cair, ou seja, de se precipitar nas tendências naturais das paixões.

No mais, gostei muito mesmo.

Beijosss!

o/

Wallace Alvim disse...

Querida poeta e compositora, Rapha!
Em _ _ CO _ _LETA você tá uma perfeita Chica Buarque! :)
VERTIGEM, além de me deixar tonto, é seeensaaaaciooonaaaaal!!!!
Fico aqui com meus botões, pensando quanta inspiração e sabedoria numa cabecinha tão jovem...
Não canso de dizer: ESTAMOS DIANTE DE UM FENÔMENO. E NÃO É PASSAGEIRO COMO MUITOS POR AÍ!
QUE SEJA, APENAS, O COMEÇO.
Beijos e abraços sinceros do seu amigo, Wall.

marjoriebier disse...

Ai, Rafa!!! Sinto um ódio de quem consegue fazer isso!!! rsrsrsrrss...

Adorei, queriiiiii!!!

@_-¯Cristiano Quaresma¯-_@ disse...

O infnito é tão longe mas,
por vezes, tão perto na
companhia da solidão!
Me fez parar e viajar...
Bela viagem!
E assim se segue...
NAMASTE!

Rafaela disse...

Liii! bem fico assim tb... mas, insistentemente, gozo de tal 'sofrimento'! rs
beso

hahaha até parece, Marjflô!
:P

Cristiano! interessante esse longe-perto. é tão contraditório em sua 'existência', q é o q acho tb; depende da [in]finitude do pensar de cada um, né? ;)
namaste!

@_-¯Cristiano Quaresma¯-_@ disse...

Aproveitando esse longe/perto,
meus blogs clamam por sua presença!
As datas dos artigos não estão
atuais, mas tenho publicado
artigos semanalmente...
Te aguardo por lá!
E assim se segue...
NAMASTE!

Renata de Aragão Lopes disse...

Que original, Rafaela!
O conteúdo
e a forma!

Um beijo,
doce de lira

Luciane disse...

Oi Rafaela!
Adorei teu espaço, e adorei esse poema visual e profundo...
Obrigada pela tua visita!
Beijo!

Marcelo Novaes disse...

Além de ser poema em V, como disse a Talita, gostei dele se afunilando em nove elos...


Enovelando-se.






Beijos,









Marcelo.

sopro, vento, ventania disse...

Muito bom, Rafaela. Adorei o seu espaço também. Você veio que veio e chegou que chegou. Parabéns por ter aproveitado o dom e arregaçado as mangas; coragem também é dádiva. Ah, e obrigada pelas visitas.
um beijo,
Cynthia

Aline Fanju disse...

ei, q bom q tá isso aqui,menina!!!!

ticoético disse...

Jáck quase todos deram opiniões intelectuais sobre poemas em v e tal e tal...eu mudo o foco pra imagem,acho q sem ela faltaria algo ao poema,mas enfim,belo poema,dá gosto de ler !
abraço !
ps: fechei o mês de novembro!

Rafaela Figueiredo disse...

hahahahahah

[e eu me acabando...]