sexta-feira, 13 de março de 2009

Avenida Passos


A vida passa.
As pessoas passam
Na avenida
E passam suas vidas
Urgentes
Apressadas
Necessárias
Cronometradas...

A vida passa.
E eu passo horas
Contemplando
O compasso
De uma multidão de passos
Solitários
Com que abafo
O pensamento
(In)contido.
E me repasso...

Passam
Passos.
E é já tempo
De passar o pensamento
Lasso
Crasso
De uma vida
Cuja essência
É, também,
Tão passageira
– Mesmo além
De uma Avenida Passos.

2 comentários:

Constantin Constantius disse...

Olha, ultimamente tenho também saído só pelos lugares de minha cidade, rsss! Reparo muito o movimento das pessoas, de modo que me identifiquei com tua poesia... :)

Linda poesia, mais linda ainda tua recitação... que emoção ouvir tua voz!!! Gostei demais! Que privilégio... \o/

Beijos Poéticos! :)

Cris disse...

Adorei isto!!! Bjs