segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Fragmentos para se ler em qualquer ordem


Para ocupar o vazio insidioso, tentei, por vezes, fazer um poema concreto. Mas, há tempos [outrora doridos], não me escapa um verso, uma rimazinha só. – E naquele eu caí e ainda me encontro...

Aprendi, com essa ausência, a diferença básica entre pausa e interrupção: uma é para recomeço; outra, para subsistência. – A associação fica a gosto!

Amanhã, quiçá, descobrirei sua causa. – A casa sou eu.

Confesso, para justificar, que a minha inteligência [ou capacidade organizacional], há um tempo, fora se instalar n’algum cortiço meia-boca cuja origem desconheço. – Sua casa não sou mais eu.

Falo pouco, pois, não por fazer jus àquela ideia de que sábio é quem ouve, mas porque há uma [in]consciência de outra ordem, absolutamente inferior à que se emprega socialmente pelos outros seres, estes com os quais, em grande maioria, tenho abdicado contato. – Quando sim, no entanto, esforço-me para parecer compativelmente... agradável. Juro. [E quem jura não sabe SE mente.]

Não queria falar de sensibilidade, contudo... penso que ela seja uma forma de inteligência. – Ando tão in-sensível... [“O peso de sentir. O peso de ter que sentir!” ¹]

À probabilidade de ter realizado um aborto natural sou imensamente grata. – Porque pr’além de todo desejo há, felizmente, o Destino...

Não sei quantas vidas serão necessárias para entender esta! – O espiritismo não tem me explicado muitas coisas. Ou eu não as tenho compreendido, por mim mesma.

Ai... Muitas vezes, num suspiro está todo o entendimento. – Mas quem o saberia?



¹ de Fernando Pessoa, em Livro do Desassossego.

8 comentários:

Hugo Nofx disse...

Vai publicando aqui alguns fragmentos, para eu ir lendo. bjs.

Moni. disse...

E assim a gente pode ir e voltar,
tomar uma drágea dessas,
esperar passar...
E vir de novo,
de novo...

Lindo, lindeza!

Beijo, beijo!

ticoético disse...

Adoro esse tipo de fragmento,remexe com minha mente de uma forma não imaginas,enfim,venho te convidar para ler,é claro,um final que marca o novo início para o espaço cabeludo,te espero lá.
abraço forte e digo que senti sua falta. (:

Rafaela G. Figueiredo disse...

1. desculpa pela falta de atenção/visitas.
2. estou em tempos loucos! [quando não?]
3. obrigada, obrigada e obrigada pela leitura.

beijos em vcs

ticoético disse...

Ai,ai que saudade,de papo,de escritos,posta aqui uma palavra sequer,e não deixa a fonte secar.
abraço !

Talita Prates disse...

até tua (in)sensibilidade é linda
- e me toca, profundamente.

amo muito.

Li.

Anônimo disse...

Mesmo que não queira escrever, ficarei aqui, lendo seus pensamentos.

Wall

Rafa disse...

meu amigo é bem-vindo - sempre!

=*